quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Professor Júlio Pinheiro analisa contexto das disputas por direito a frente do Sinporesemma


O atual presidente do maior sindicato do Maranhão,  Sinproesemma, o professor Júlio Pinheiro faz uma análise das disputas por direitos dentro da entidade e avalia que o MRP, que prega o antipartidarismo, dentro do sindicato na verdade é contraditório. Segundo Pinheiro o comandante do grupo MRP, Antonísio Furtado não deixa claro de que lado está.

"Ele tem de deixar claro para a categoria de que lado ele está", Pinheiro alerta que historicamente os fatos demonstram quem de fato, sempre esteve ao lado dos trabalhadores da Educação. O atual presidente do Sinproesemma denuncia a contraditória relação do MRP com o grupo Sarney em momentos cruciais para a categoria, "O MRP fez uma aliança estratégica com o governo do grupo Sarney para combater a direção do sindicato  no momento em que o sindicato cobrava os direitos da categoria"


"quero que o companheiro Antoníosio explique para nossa categoria para nossa base por que que ele não foi pra greve naquele momento, por que ele não participou da greve mais vitoriosa da história do magistério em 2013, tratando de todas as progressões, titulações, promoções, desmobilizando a classe impedindo que uma parte da categoria participasse."



Clique no link e ouça a entrevista completa











Júlio Pinheiro fala sobre a eleição do Sinproesemma e declara apoio a chapa 1



O processo para a escolha da nova diretoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (Sinproesemma), está em andamento e a eleição  para a escolha da nova diretoria que deverá comandar o sindicato a partir de (2017 a 2021), acontece no próximo dia 16 de dezembro. O candidato da chapa 1, Raimundo Oliveira saiu na frente na corrida pela conquista dos votos dos filiados. Além do apoio da maioria das delegacias regionais do SINPROESEMMA, Oliveira conta também com o apoio e a credibilidade do atual presidente do sindicato o professor Júlio Pinheiro.

Pinheiro gravou uma mensagem alertando a categoria para a importância de eleger o candidato da chapa 1. Segundo o presidente a trajetória de luta  do professor Oliveira se confunde com a história de luta da categoria.

Confira o vídeo.










quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Convênio com a Funasa vai permitir a construção de 18 poços em Anajatuba

Já dizia Augusto Cury que “a grandeza de um homem não está no quanto ele sabe, mas no quanto ele tem consciência que não sabe”. E somente alguém com pouca grandeza e consciência para não reconhecer os avanços significativos implementados, nos últimos 12 meses, sob a batuta do prefeito Sydnei Pereira(PCdoB), no município de Anajatuba.

Além da completa inexperiência em gerenciar a coisa pública, da falta de recurso decorrente da sangria que desviou quase R$ 14 milhões de reais, no esquema comandado pelo então prefeito Helder Aragão, afastado e preso, na época, por determinação da justiça, ao assumir o comando do município, em outubro de 2015, a falta de água foi outro grave problema enfrentado pelo gestor.

Mas apesar das intemperes Sydnei não desistiu de lutar por uma Anajatuba com melhores condições de vida para sua população, e de tanto percorrer corredores de órgãos estaduais e federais, visando mais e mais benefícios para o município, o prefeito conseguiu a reativação de um convênio com a Fundação Nacional de Saúde – FUNASA, na ordem de R$3,7 milhões de reais, que tem como objetivo a construção de 18 poços.

Desse montante, 03 já estão em pleno funcionamento e outros 04 estarão sendo entregues até o 31 de dezembro do ano em curso. Com profundidade que vareia entre 30 e 160 metros, nas localidades Areial, Teso Grande e Carro os poços já estão atendendo a comunidade. Enquanto os poços dos povoados Assutinga, Flores II e Gameleira serão inaugurados até o final deste ano.

“Logo que assumi, ainda em outubro de 2015, com intuito de levar água potável aos povoados, precisamos fazer um alto investimento com o aluguel de carro pipa. Podem não acreditar, mas ao visitar as localidades, em muitas oportunidades não conseguir conter as lágrimas em vê a péssima qualidade da água consumida pelos anajatubenses. 

Essa situação me corroía por dentro, fato que me levou a prometer que, dentro das minhas possibilidades, faria o possível para resolver ou amenizar o problema advindo da falta d´água. E mesmo diante da crise que assola o País, com a redução de recursos, cortes e suspensão de programas federais, conseguir cumprir o que estabeleci como uma das prioridade na nossa administração. Não tenho dúvida que esses poços ajudarão a melhorar a qualidade de vida dos meus conterrâneos”, evidenciou o prefeito.

Do Cine Roxy ao Cine Teatro da Cidade: a importância de uma gestão pautada para a Cidade.

Teatro da Cidade



Atual Teatro da Cidade de São Luís, o antigo Cine Roxy foi adquirido e reformado pela Prefeitura Municipal de São Luís no ano de 2012. Desde então passou a integrar os equipamentos culturais públicos da Cidade, com o objetivo de atender a demanda da produção cultural ludovicense.

Desde 2015, sob a direção do produtor cultural André Lobão, o Teatro da Cidade já aumentou em mais de 40% a sua ocupação, segundo dados da bilheteria do próprio Teatro, e desenvolveu projetos de grande relevância cultural para atender a necessidade da classe artística de São Luís.

”Quando assumimos a direção do Teatro da Cidade, o que primeiro detectamos foi a ausência de uma identidade visual e pouco reconheciemnto da população sobre sua atual utilização. Pra isso, em colaboração com a equipe técnica da casa e da Secretaria Municipal de Cultura, implementamos uma gestão pautada no planejamento estratégico, que resultou no Plano de Ações Bienal 2015-2016, que incluiu o reposicionamento do Teatro na Cidade”, diz André Lobão.

Segundo Lobão, uma das principais preocupações de sua gestão foi o resgate da memória do Cine Roxy. “O Cine Roxy é um equipamento cultural de 1939, e foi um importantísssimo cinema para a cidade de São Luís, conhecido à época como Cinema das Estrelas. Refizemos sua identidade visual como Cine Teatro da Cidade, adquirimos um projetor para exibição de filmes e implementamos o projeto Cinema para Todos, com o intuito de devolver para a população de São Luís, em especial às pessoas que viveram os tempos áureos do Cine Roxy, a sua sala de cinema.”

Atualmente o Cine Teatro da Cidade realiza sessões de cinema em parceria com órgãos públicos e projetos sociais, com objetivo de democratizar o acesso da população à produção do audiovisual maranhense e brasileiro.

Além disso, o diretor destacou a realização de dois editais de ocupação para o Cine Teatro da Cidade, que foram executados ainda em 2015. “Outra preocupação que tivemos foi a de atender às necessidades do segmento

artístico de São Luís, no que diz respeito ao acesso às pautas do Teatro e utilização do equipemento para processos de criação. Com isso criamos os projetos “Ensaios de Segunda” e “Terças no Teatro”, o que proporcionou a dinamização da programação da casa, com produções culturais de artistas e grupos locais, com acesso gratuito ao público da cidade”, afirma André Lobão.

“Hoje o Teatro da Cidade é uma casa acolhecora, com uma equipe técnica que recebe o artitsa com respeito e responsabilidade. Nós artistas naturalmente já enfrentamos muitas dificuldades para mater o nosso trabalho, e quando chegamos a um equipamento cultural que é mantido por recursos públicos, o mínimo que esperamos é ter um exelente tratamento, e o Teatro da Cidade tem cumprido seu papel nesse sentido”, afirma Urias de Oliveira, ator e diretor de teatro.

Ao longo desses dois anos de trabalho, o diretor da casa também enfrentou desafios quanto a manutenção do equipemento, que por se tratar de um prédio antigo e situado em área de tombamento histórico, requer alguns cuidados para que se mantenha em atividade e com segurança. “Pra isso, construimos junto com a equipe técnica do teatro um processo de trabalho colaborativo, onde nos dividimos em comissões de trabalho para cuidar de áreas específicas do Teatro que necessitam de monitoramento constante, e que muitas das vezes não é atendida pelo cargo funcional que ocupamos dentro do Teatro. Com isso, acabamos com os problemas de infiltração do teatro, e conseguimos realizar constatemente a manutenção de pintura e de ar condicionados.”, diz André Lobão.

Atualmente, o Cine Teatro da Cidade desenvolve também parceria com a Secretaria de Saúde do Estado do Maranhão, através do Hospital Nina Rodrigues, do CAPS AD Estadual e da Unidade de Acolhimento do Estado, na realização do projeto Ritmos da Vida. “O projeto surgiu quando nós do Hospital Ninas Rodrigues procuramos o Teatro para levantar a possibilidade de levar a produção artístca dos pacientes usuários dos serviços de saúde metal do SUS, atendidos pelo Hospital, CAPS e Unidade de Acolhimento. O projeto já realizou cinco edições, onde sempre apresentamos o resultado das oficinas de teatro e canto realizadas com os pacientes no palco do Teatro da Cidade. Esse projeto tem nos dado indicadores de melhoria na qualidade de vida dos nossos clientes,

já que, como diz o próprio diretor do Tetaro, estamos realizando o exercício da cidadania cultural”, afirma Rui Cruz, diretor do Hospital Nina Rodrigues.

Como resultado mais experessivo dessa gestão, o Cine Teatro ultrapassou a meta do Palno Municipal de Cultura de São Luís, que era de ter até dois projetos implementdos até 2016. “A partir do planejemnto que construimos junto com toda a equipe, o Teatro da Cidade tem sido visto pelos artistas e produtores, como um dos melhores equipamentos culturais de São Luís, no que diz respeito a sua equipe técnica, principalmente pela forma como nós recebemos a todos, que é um ponto sempre lembrado pela direção, sobre o lugar que cada um de nós ocupa nese trabalho”, afirma Aldenor Filho, Secretário Exectutivo do Cine Teatro.

SERVIÇO

O Cine Roxy foi construído por Moysés Aziz Tajra, arrendatário de algumas salas de espetáculos, no final dos anos 30. Naquela época, recebeu a denominação de "Cinema das Estrelas". Localizado na esquina da Rua do Egito com o Beco da Sé, o edifício, de autoria do próprio Moysés, teve sua estrutura projetada para suportar um segundo pavimento, que não foi construído por falta de recursos.

A fachada do prédio é marcada por características do estilo art decó, como os traços retos que compõem a platibanda de sua pequena torre, onde está localizado o nome do cinema em letreiro luminoso. Em junho de 1939, o prédio abriu suas portas para o público, apresentando “As aventuras de Hobin Hood”, que ficou três meses em cartaz. Entretanto, o Cine Roxy não acompanhou a evolução tecnológica e perdeu seu espaço para outras salas de cinemas, que foram abertas na cidade.

Para receber o Teatro da Cidade de São Luís, durante um ano o Cine Roxy passou por um longo processo de restauração. A obra do espaço ficou a cargo da Fundação Municipal de Patrimônio Histórico (Fumph), sob acompanhamento do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que baseou seus trabalhos em pesquisas históricas e fotos antigas do prédio. A reforma manteve as principais características arquitetônicas do imóvel, como a inclinação do salão

principal, a fachada com o nome do antigo cinema, além do traçado da planta principal do prédio.

Alguns espaços foram ampliados, como o palco, que passou a ter 53m³, o dobro da área que tinha antes, todo em madeira freijó, e a bilheteria. O salão, com capacidade para 265 lugares, com cadeiras numeradas e revestidas em tecido, recebe o nome do teatrólogo e dançarino maranhense Reynaldo Faray. No térreo tem ainda camarins, foyer, banheiros e espaço para arrendar um café. No piso superior, ficou a sala de administração, cabine de som e de projeção com equipamentos de áudio e vídeo multimídia e sistema de iluminação com 18m², além de copa e cozinha.

A fim de preservar as características originais da construção, foram tomadas algumas medidas, como, por exemplo, encomendadas réplicas do ladrilho hidráulico original que compõe o assoalho do prédio. O Teatro Cidade de São Luis é todo adaptado para receber as pessoas com deficiência física, com rampas de acesso, lugares especiais e banheiros adaptados.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Quem é Raimundo Oliveira candidato a presidente do SINPROESEMMA?!



O Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Maranhão (SINPROESEMMA), está em vias de uma eleição para a escolha da nova diretoria. O pleito está marcado para o próximo dia 16 de dezembro e o candidato a presidente, Raimundo Oliveira de 45, anos falou ao blog sobre a sua candidatura na (Chapa -1), "Unidade e luta por mais conquistas", e se diz preparado para o desafio.

Raimundo, que conta o apoio do atual presidente do sindicato o professor Júlio Pinheiro afirma que o seu objetivo como presidente será a continuidade, "Mas isso não significa que  o meu mandato será  o mesmo de Pinheiro, mas temos uma gama de avanços nessa gestão, que se eleito terei a obrigação de dar continuidade e além de garantir esses avanços, vamos pleitear muitos outros ao lado da categoria", avisa.

Trajetória 

Professor de carreira, formado em Matemática e Ciências Contábeis, Raimundo Oliveira tem 45 anos começou a sua trajetória no Sinproesemma em 2004,  com uma luta de classe enfrentada na construção das garantias de direitos da categoria durante o período do governo José Reinaldo Tavares, contra a retirada de direitos dos trabalhadores. Desde então ocupou várias diretorias no Sinproesemma, atualmente é o diretor de Administração e Patrimônio da entidade.

Com grande experiência  acumulada ao longo de doze anos  em defesa da categoria, Raimundo  Oliveira diz que está preparado para o desafio de estar à frente do maior sindicato do Maranhão que atualmente conta com cerca de 60 mil profissionais em todo o estado.  Obstinado a lutar pelos direitos de homens e mulheres trabalhadores da Educação, o professor se compromete a dar continuidade às garantias e lutas pela manutenção dos direitos já conquistados pelo sindicato, junto ao Governo do Estado, à exemplo do Estatuto do Educador; das progressões e titulações; a ampliação de jornada de trabalho, além  do compromisso de buscar a unidade entre os profissionais da Educação e o sindicato. 

           "Atualmente o Sinproesemma tem inúmeras conquistas que devem ser mantidas, o sindicato não pode retroceder, temos de ter a consciência de que as pessoas passam e o sindicato fica! Então, o que nós queremos é avançar construindo a unidade dentro do nosso sindicato, perante a categoria, mas, sem perder o foco  de que o diálogo é o melhor caminho", afirmou Raimundo Oliveira.

domingo, 27 de novembro de 2016

PF orientou Calero a gravar Temer e ministros para se proteger



247 - A crise aguda que atinge o governo do presidente Michel Temer (PMDB) promete ficar mais grave a partir da noite deste domingo. O programa Fantástico, da Rede Globo, vai exibir entrevista da jornalista Renata Lo Prete com o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero. No trecho da entrevista já divulgado pela TV Globo, Calero admite que gravou conversas que teve com Temer e outros ministros para se proteger.

O ex-ministro afirma que tomou tal atitude por recomendação de colegas da Polícia Federal. “A sugestão, né, de alguns amigos que tenho da Polícia Federal para me proteger, para dar um mínimo de lastro probatório de tudo aquilo que eu relatei no depoimento eu fiz algumas gravações telefônicas”.

Na sexta-feira (25), Calero divulgou comunicado para afirmar que não pediu audiência com o presidente Temer com intuito de gravar o diálogo. Na reportagem da Globo, o ex-ministro sugere que fez as gravações em telefonemas com Temer.

O episódio é o mais crítico até aqui do governo de Michel Temer. Além da saída de Calero, provocou a queda do ministro Geddel Vieria Lima. Dois dos principais colunistas da imprensa brasileira, Janio de Freitas e Clovis Rossi, avaliam que presidente foi cúmplice do crime de advocacia administrativa cometido por Geddel Vieira Lima e defendem sua renúncia.

Depois de Geddel, Temer terá que demitir Padilha



247 – O escândalo La Vue, o espigão de 107 metros de altura, que agride o patrimônio histórico de Salvador, não se encerra com a demissão de Geddel Faria Lima, o braço direito de Michel Temer que tem um imóvel de R$ 2,4 milhões no empreendimento e pressionou seu colega Marcelo Calero a liberar obra embargada.

Em entrevista à jornalista Renata Lo Prete, exibida nesta noite no Fantástico, Calero deu um depoimento contundente, que deixa o governo Temer, já nas cordas, numa situação ainda pior.

Para continuar respirando por aparelhos, Temer terá que demitir outro de seus principais assessores: o chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. Isso porque Calero deixa claro que a Polícia Federal e a procuradoria-geral da República já têm em seu poder gravações que comprometem Padilha.

Calero apenas disse que não poderia confirmar para não atrapalhar as investigações, mas fica claro que tanto Padilha como Geddel foram gravados, em ligações telefônicas – o que é perfeitamente legal.


O ex-ministro da Cultura também mandou um recado para Temer, que o chamou de indigno por ter feito as gravações. "O servidor público tem que ser leal, mas não pode ser cúmplice."

Ele também repetiu que Temer pediu a ele que aceitasse as pressões ilegítimas de Geddel, ao dizer que "a política tem dessas coisas."

Ou seja: o conselho de Temer era para que se buscasse a Advocacia-Geral da União, de modo a se buscar uma solução jurídica que permitisse atender ao pedido de Geddel.

Em coletiva nesta tarde, Temer disse apenas ter "arbitrado conflitos", mas não havia conflito algum, apenas a pressão de um ministro corrupto, Geddel Vieira Lima, sobre um ministro honesto, Marcelo Calero, para que ele praticasse um ato de corrupção e liberasse uma obra ilegal.

Calero também disse ter ficado chocado ao ver que, em plena crise econômica, a maior da história do País, que foi causada pelo golpe de 2016, as principais autoridades da República se dedicam a interesses paroquiais.

Em entrevista ao 247, o ex-ministro da AGU, José Eduardo Cardozo, diz que a participação de Temer no episódio pode levar a seu impeachment por crime de responsabilidade, uma vez que seu eventual delito, o de patrocinar o interesse privado de Geddel, se deu no atual mandato (leia aqui).