segunda-feira, 14 de maio de 2018

Robson Paz, "Lições do Maranhão"



OPINIÃO | Lições do Maranhão


O presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB) visitou o Maranhão e com ar professoral discorreu sobre soluções para o crescimento, segurança, educação e saúde do Estado e da região Nordeste. Noutros tempos, impressionaria a muitos com propostas, que mais parecem poções mágicas, para a resolução de problemas crônicos enfrentados pela população.

A retomada do crescimento prometida pelo tetra governador de São Paulo passou a ser experimentadapelo Maranhão, nos últimos anos, apesar da maior crise econômica e política enfrentada pelo país. Sob o governo Flávio Dino, nosso estado se destacoucomo estado brasileiro, que mais cresceu em 2017, segundo estudo feito pelo Itaú Unibanco e divulgado pelo jornal Folha de S. Paulo. Menos de 24 horas após a visita do ex-governador paulista, outro veículo nacional, o portal G1, com base em dados da Secretaria do Tesouro Nacional, informa que o Maranhão é o segundo estado do país com maior investimento em escolas, hospitais, infraestrutura, saneamento básico, segurança.

A seriedade com que são promovidas as políticas públicas coloca o governo Flávio Dino como referência nacional. O Maranhão paga o maior salário do país para professores em início de carreira. Duas vezes mais que o rico estado de São Paulo. A rede escolar passa pela mais profunda reestruturação da história e está em pleno funcionamento, com inédita rede de educação em tempo integral e profissionalizante com 40 unidades em todas as regiões do Estado. Além de escolas dignas, contribuem para o bom momento da educação professores capacitados, gestão escolar democrática e alunos com oportunidade para adquirir novas experiências e conhecimentos em outros países.

Na saúde, o Maranhão ampliou a rede de hospitais regionais como nenhum outro estado do país. Eram apenas duas unidades: em Presidente Dutra e Coroatá. Agora, são nove hospitais regionais de alta complexidade com a inauguração e funcionamento dos hospitais nos municípios de Pinheiro, Imperatriz, Caxias, Balsas, Bacabal, Santa Inês e o Hospital de Ortopedia e Traumatologia (HTO) em São Luís. A população ganhou um hospital exclusivo para o tratamento do câncer, o Hospital Geral, e, pela primeira vez, pacientes de Imperatriz e Caxias passaram a ter atendimento oncológiconas respectivas cidades. A Força Estadual de Saúde (Fesma) é outra inovação, que cuida da saúde preventiva nos municípios mais pobres do Estado. Maranhenses que jamais tiveram acesso aserviços médicos recebem “anjos” em suas casas para combater diabetes, mortalidade materna e infantil; hipertensão e hanseníase.

Com facções criminosas atuando nacionalmente como o PCC (Primeiro Comando da Capital), São Paulo está longe, não parece o melhor exemplo de combate à violência.. Aqui, em três anos e meio, o estado deixou para trás o colapso na segurança, a barbárie dentro e fora dos presídios. Com a maior tropa da história das polícias, mais viaturas, descentralização do Centro Tático Aéreo, valorização e capacitação dos policiais, por meio do Pacto pela Paz, São Luís deixou a lista de 50 cidades mais violentas do planeta.

O Maranhão está no rumo certo ao conciliardesenvolvimento, responsabilidade fiscal ecombate às desigualdades. Nossa gente voltou a sonhar. Não émágica! É trabalho!

Radialista, jornalista. Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da Nova 1290 Timbira AM.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.