quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

MELLO FRANCO: SEGOVIA SE ESFORÇOU PARA ESTANCAR A SANGRIA, MAS ACABOU MORRENDO PELA BOCA





"Segovia ascendeu na polícia com a ajuda da política. Sua nomeação teve as digitais de José Sarney, Eliseu Padilha e Augusto Nardes. Em comum, todos enrolados em delações da Lava-Jato. (...) Segovia se esforçou para estancar a sangria, mas acabou morrendo pela boca", escreve o colunista Bernardo Mello Franco

O jornalista Bernardo Mello Franco dedicou sua coluna desta quarta à análise da demissão do agora ex-diretor-geral da Polìcia Federal Fernando Segóvia.

"No primeiro dia, ele já disse a que veio. Minutos depois de assumir o comando da Polícia Federal, Fernando Segovia saiu em defesa do chefe. Ele sugeriu que as investigações contra Michel Temer não teriam reunido provas suficientes para denunciá-lo.

“Uma única mala talvez não desse toda a materialidade criminosa de que a gente necessitaria”, disse. O delegado se referia a um flagrante de corrupção explícita: a entrega de R$ 500 mil a Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor do presidente.

Segovia ascendeu na polícia com a ajuda da política. Sua nomeação teve as digitais de José Sarney, Eliseu Padilha e Augusto Nardes. Em comum, todos enrolados em delações da Lava-Jato.

(...)

Ontem, o delegado puxou aplausos para o novo ministro da Segurança Pública, que passou a comandar a PF. Não adiantou nada, porque Raul Jungmann já havia acertado a sua substituição. Segovia se esforçou para estancar a sangria, mas acabou morrendo pela boca."



Fonte: 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.