segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

EM EDITORIAL, FOLHA CRITICA MORO E BRETAS





Em editorial publicado nesta segunda, a Folha de S.Paulo atacou os privilégios do Judiciário, personificando as críticas nos juízes Sérgio Moro e Marcelo Bretas, pelo recebimento de auxílio-moradia; "os tais penduricalhos não passam de artifício para driblar o teto salarial do funcionalismo, de R$ 33,8 mil mensais(...) Não há, decerto, justificativa republicana para privilégios do gênero, artifícios burocráticos com roupagem legal que têm o mero objetivo de disfarçar aumentos de renda e despesa pública", diz o texto


 A Folha de S.Paulo publicou um editorial em que atacou os privilégios do Judiciário, personificando as críticas nos juízes Sérgio Moro e Marcelo Bretas.

Confira abaixo trechos do texto:


"Um casal de juízes recebe dois auxílios-moradia do erário, embora os dois magistrados morem no mesmo imóvel, próprio, na cidade em que trabalham.

Esta é a situação dos juízes Marcelo e Simone Bretas, o primeiro conhecido pelas sentenças relativas à Lava Jato no Rio de Janeiro, e o casal agora citado como exemplo no debate acerca das regalias concedidas à elite do funcionalismo.

Não há, decerto, justificativa republicana para privilégios do gênero, artifícios burocráticos com roupagem legal que têm o mero objetivo de disfarçar aumentos de renda e despesa pública.

O juiz Sergio Moro, também celebrizado pelas penas aplicadas a corruptos e corruptores, disse que o auxílio-moradia compensa a ausência de reajuste dos vencimentos desde 2015 uma reparação à qual a enorme maioria dos brasileiros sujeita à crise econômica do período não teve direito.

Quanto ao mais, os tais penduricalhos não passam de artifício para driblar o teto salarial do funcionalismo, de R$ 33,8 mil mensais. Juízes, entre outros privilegiados, recebem auxílio para alimentação, educação, moradia e enterro."


Fonte: 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.