sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

ALCKMIN E DORIA REDUZIRAM GASTOS EM AÇÕES DE COMBATE A MOSQUITOS





O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e o prefeito da capital paulista, João Doria, cortaram os gastos com a prevenção das doenças transmitidas por mosquitos no ano passado, às vésperas do avanço da febre amarela no Estado; Somadas, as verbas para vigilância em saúde, que incluem as medidas preventivas e de controle das doenças, ficaram quase R$ 120 milhões abaixo dos R$ 334 milhões que eram previstos no Orçamento de 2017, considerando a capital paulista e a gestão estadual

Os gastos no combate preventivo a doenças transmitidas por mosquitos caíram em São Paulo no último ano, às vésperas do avanço da febre amarela em cidades paulistas.

A queda das despesas ocorreu tanto no governo de Geraldo Alckmin (PSDB) como na capital, com João Doria (PSDB), e em transferências de Michel Temer (MDB).

Somadas, as verbas para vigilância em saúde, que incluem as medidas preventivas e de controle das doenças, ficaram quase R$ 120 milhões abaixo dos R$ 334 milhões que eram previstos no Orçamento de 2017, considerando a capital paulista e a gestão estadual.

Funcionários da área de saúde dizem que a falta de recursos prejudica trabalhos como a aplicação de inseticida e o controle de focos de proliferação do Aedes aegypti.

De acordo com médicos, isso pode influenciar no controle a doenças como dengue, chikungunya e zika e na prevenção de eventual transmissão de febre amarela urbana —erradicada no Brasil na primeira metade do século 20.

As informações são de reportagem de Arthur Rodrigues na Folha de S.Paulo.


Fonte: 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.