terça-feira, 30 de janeiro de 2018

GLOBO MANDA STF RECUAR NA SEGUNDA INSTÂNCIA





Em mais uma demonstração de quer ver Lula na cadeia, custe o que custar, o jornal O Globo publicou um editorial em que determina que a questão da prisão em segunda instância não volte a ser discutida na Corte; "Pode-se debater se subir o sarrafo da segunda instância para o STJ, a fim de ampliar o direito de defesa, não seria o mais indicado. Mas não agora, por óbvias razões" escreve


O jornal O Globo publicou nesta terça um editorial em que, mais uma vez, pressiona a Justiça a prejudicar o ex-presidente Lula.

No texto, o periódico da família Marinho determina que o Supremo Tribunal Federal abandone a ideia de rever a questão da prisão após a segunda instância, o que poderia dificultar uma eventual prisão do ex-presidente Lula.

Confira abaixo trechos do texto:

"Dentro deste quadro, o ex-presidente Lula é condenado por unanimidade, pelos três desembargadores do TRF-4, confirmando e até agravando sentença de Sergio Moro, juiz da Lava-Jato, com base em Curitiba. Com isso, o debate sobre a segunda instância ganhou outra dimensão.

Senhora da pauta da Corte, a presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia, dissera há algum tempo que não colocaria o assunto novamente em julgamento. Por todas as implicações do tema. Afinal, a Lava-Jato e outras operações evoluem, e aproximavam-se as eleições.

Mas crescem as pressões sobre a ministra, o que é inaceitável, devido mesmo a este pano de fundo. Está em jogo a imagem do Supremo. Pode-se debater se subir o sarrafo da segunda instância para o STJ, a fim de ampliar o direito de defesa, não seria o mais indicado. Mas não agora, por óbvias razões.

Se o Supremo cometer esta reciclagem no entendimento anterior, será acusado de fazer um julgamento sob encomenda para ajudar Lula e bombardear a Lava-Jato, a fim também de ajudar livrar gente importante que se encontra sob a mira da operação, num dos mais flagrantes casuísmos dos últimos tempos."

Fonte: 247

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.