terça-feira, 30 de janeiro de 2018

ADVOGADO BRITÂNICO IRÁ À ONU PARA DENUNCIAR PERSEGUIÇÃO A LULA





Uma das maiores referências mundiais em direito internacional, o advogado britânico Geoffrey Robertson irá à ONU para denunciar a perseguição ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pelos tribunais brasileiros; Robertson afirma que o sistema judiciário brasileiro impede que Lula tenha um julgamento "justo" nas ações criminais a que responde; ativista internacional dos direitos humanos, ele diz ter presenciado na semana passada, no julgamento que condenou Lula a 12 anos e um mês de prisão, "indícios de viés", listados por ele em documento de dez páginas enviado na noite de ontem à Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra (Suíça)


Contratado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para defendê-lo em cortes internacionais, o advogado britânico Geoffrey Robertson diz que o sistema judiciário brasileiro é "arcaico". Para o advogado, isso impede que Lula tenha um julgamento "justo" nas ações criminais a que responde. Ativista internacional dos direitos humanos, ele diz ter presenciado na semana passada, no julgamento que condenou Lula a 12 anos e um mês de prisão, "indícios de viés", listados por ele em documento de dez páginas enviado na noite de ontem à Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra (Suíça).

Robertson diz que é "bizarro e surpreendente" ter visto o procurador-regional da República [Maurício Gerum] sentado ao lado do juiz [desembargador-presidente da 8ª Turma do TRF-4, Leandro Paulsen].

"Mostra fotograficamente o viés da Corte". Ele critica também o fato de os magistrados irem para o julgamento com votos escritos, praxe em todos os tribunais brasileiros. "Ninguém estava ouvindo a defesa, pois os juízes já tinham seus votos escritos. Nada do que pudesse ser dito teria algum efeito. É um exemplo de como o processo legal no Brasil é surpreendente para visitantes".

As informações são de reportagem de Carolina Freitas e André Guilherme Vieira no Valor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.