segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Gleisi diz no STF ser “vítima de perseguição política do PSDB”




Por Esmael Morais - A senadora Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT, afirmou nesta segunda-feira (28), em depoimento no STF, que está sendo vítima de perseguição política do PSDB.

“Eu sou vítima de perseguição política em razão da origem desse processo com Alberto Youssef e o seu advogado que foi assessor no governo de Beto Richa, do PSDB”, declarou ao final do depoimento na ação penal da lava jato.

A petista denunciou que foi denunciada em um processo que tinha um alto grau de politização e muita influência no Judiciário, incluindo o Ministério Público, pela opinião pública, “o que é um erro”, segundo ela.

Gleisi informou que negou no depoimento o que estão lhe acusando e disse pediu para que o Ministério Público mostre quais são as provas de que ela cometeu corrupção passiva ou lavagem de dinheiro.

“Primeiro porque eu não tive contato com Paulo Roberto Costa [ex-diretor da Petrobras], nunca tive ascendência na Petrobras, nunca facilitei ou dei condições ou me relacionei com fornecedores da Petrobras para beneficiá-los. Isso teria que estar caracterizado no processo para estarem me acusando como estão”, garantiu a senadora.

Gleisi reclamou que está há três anos apanhando nesse processo, pois, de acordo com ela, não tem uma prova de que tenha cometido qualquer crime. “Estou sendo julgada e condenada antecipadamente”.

A presidenta do PT, bem como o marido ela, o ex-ministro Paulo Bernardo, foram ouvidos hoje por juízes auxiliares do ministro Edson Fachin, relator da lava jato no Supremo.


247

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.