quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Pesquisa sobre o Zika vírus realizada no Maranhão é destaque no jornal The New York Times


Uma reportagem publicada em um dos jornais mais influentes do mundo, o The New York Times, divulgou na edição de terça-feira (22), em sua editoria de saúde, uma matéria que cita a pesquisa desenvolvida no Maranhão pelos pesquisadores e profissionais de saúde responsáveis pelo projeto ‘Síndrome congênita pelo Zika vírus, soroprevalência e análise espacial e temporal de vírus Zika e Chikungunya no Maranhão’.

A divulgação faz um recorte sobre as principais pesquisas que acontecem mundialmente relacionadas aos impactos do Zika vírus e a microcefalia, citando estudos dos estados do Ceará, Pernambuco e Maranhão, e também nos Estados Unidos - na Universidade de Pittsburgh e na Faculdade de Medicina de Harvard.

De acordo com os estudos, alguns bebês nasceram com o perímetro cefálico normal, porém, após alguns meses, a microcefalia foi diagnosticada. O tamanho da cabeça é a principal característica para a notificação de casos de microcefalia, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

A maioria dos bebês do estudo, que tiveram a lesão cerebral diagnosticada meses após o nascimento, apresentou o mesmo padrão de microcefalia, mas menos grave do que aqueles com perímetro cefálico menor ou igual a 31,9 para menino e 31,5 para menina.

O projeto estudou 48 bebês com anormalidades cerebrais no estado do Maranhão, no Centro de Referência em Neurodesenvolvimento, Assistência e Reabilitação de Crianças (Ninar). Seis bebês que não tiveram microcefalia diagnosticada ao nascer, foram acompanhados pelos profissionais. Destes bebês, três foram diagnosticados posteriormente com microcefalia e três apresentaram outras alterações neurológicas.

A iniciativa foi premiada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) e desenvolverá outros estudos sobre o Zika vírus e a microcefalia, fruto de uma parceria entre os profissionais do Ninar, da Secretaria de Estado da Saúde (SES) e da Secretaria de Estado Extraordinária de Articulação das Políticas Públicas (Seepp), juntamente com os pesquisadores e professores da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

A pesquisa, que concluiu sua primeira etapa, desbancou estudos de várias universidades do Brasil e venceu o edital do CNPQ no valor de R$ 1,2 milhão, que será revertido na continuação das pesquisas na área durante três anos.

No início deste mês, o governador Flávio Dino recebeu no Palácio dos Leões, uma comitiva de professores, pesquisadores e profissionais da saúde responsáveis pelo projeto. Na ocasião, Flávio Dino parabenizou os profissionais envolvidos com o estudo e ressaltou que essa ação reforçará, ainda mais, as atividades do Governo do Estado no âmbito do neurodesenvolvimento infantil.

Link da matéria na íntegra:

http://www.nytimes.com/2016/11/22/health/zika-microcephaly-babies.html?hpw&rref=health&action=click&pgtype=Homepage&module=well-region&region=bottom-well&WT.nav=bottom-well

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.