segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Itaqui-Bacanga e o sonho de eleger um vereador direto

Júlio Pinheiro faz sinal positivo ao lado de Paêta




Uma das maiores regiões e de maior densidade populacional de São Luis, a área Itaqui-Bacanga historicamente não consegue eleger um vereador pelo voto direto. A última vez que conseguiu esse feito foi em 1996 com Gabriel Ramos, ou seja, há exatos vinte anos. Atualmente a região conta com uma vereadora, Eidmar Gomes (PSDB) mas ela assumiu indiretamente após o titular vereador Sérgio Frota (PSDB) eleger-se deputado estadual. 

Inicialmente para as eleições deste ano o candidato de consenso da maioria das lideranças da área foi o professor Júlio Pinheiro do (PC do B). Mas justamente pela grande aceitação, nenhuma rejeição e com uma trajetória brilhante como militante estudantil, dos movimentos sociais e sindicalista,  Pinheiro foi convidado pelo seu partido para assumir a vaga de pré-candidato à vice-prefeito na chapa Edivaldo Holanda Júnior pela coligação (PDT/PC do B).

Mudança de rumo

Com a saída de Pinheiro houve inicialmente um temor na região e a pergunta: Qual o candidato teria condições de unir as lideranças da área em prol de sua candidatura?! 

O Itaqui-Bacanga ficaria sem candidato com reais condições de vencer a próxima eleição e acabar com o estigma de vinte anos, (de grande região que não consegue unir forças em prol de um nome), principalmente pela falta de um candidato que tivesse essas características?

Apontando caminhos

Júlio Pinheiro tem essas características e atualmente a pessoa que tem condições de apontar esse caminho, a sua trajetória política o qualifica a esta tarefa mas sabemos que unidade não se constrói apenas com belas biografias, mais do que isso é preciso combinar com as demais lideranças. Vinte anos após a eleição de Gabriel Ramos, Pinheiro conquista um feito inédito, é o nome que conseguiu unir o maior número de lideranças em prol de um único objetivo (eleger um morador do Itaqui-Bacanga), desejo que não se vê apenas nas lideranças políticas e comunitárias, mas em cada morador da área.

O que muda com Pinheiro fora da disputa para vereador

Com Júlio Pinheiro como pré-candidato à vice ao lado de Edivaldo, surge outro nome dentro desse cenário, também morador da área, José de Ribamar Bezerra Filho mais conhecido como [Paêta], destaca-se com reais condições de vitória e passa a ser a opção do seu partido (PC do B), no Itaqui-Bacanga, para buscar a vaga de vereador aberta com a saída de Pinheiro.

Paêta (PC do B), prefeito Edivaldo (PDT), Júlio Pinheiro (PC do B) e a secretária de Juventude Tatiana Pereira (PC do B)

O sonho de eleger um vereador pelo voto direto continua com Paêta

Com a mudança, Júlio direciona o apoio do seu grupo político e lideranças, que passam a apoiar Paêta para vereador. Geralmente a tendência e sair cerca de trinta candidatos em ano eleitoral só na região, mas este ano essas mesmas lideranças seguem com Júlio Pinheiro, agora unidas em torno do nome de Paêta que ganha cada vez mais força e Pinheiro passa a ser o comandante político na região, aquele que uniu até mesmo os adversários em prol de uma candidatura de um morador da área.

Candidato de Júlio Pinheiro

José de Ribamar Bezerra Filho o Paêta, agora candidato de Júlio Pinheiro, tem 37 de serviços prestados às comunidade carentes de São Luis. Natural de Vargem Grande é filho de família simples. Quem o conhece sabe que seus valores sempre foram voltados para a educação e o fortalecimento da família. Morador daVila Embratel, Paêta sempre esteve envolvido com políticas públicas para as comunidades carentes.

A religiosidade também é presença forte na sua vida. Atuante nos trabalhos da Igreja Católica sempre se colocou à serviço dos projetos de evangelização e sociais da Igreja. Durante 26 anos esteve à frente da Romaria dos Trabalhadores no Itaqui-Bacanga.

Atuou em defesa da meia passagem em São Luis, foi presidente da Associação Comunitária Itaqui-Bacanga (2007 à 2008), oportunidade em que dirigiu ações importantes ao longo de sua gestão, como o projeto Educação Para Limpeza Urbana (ELU), de grande impacto socioambiental para a região com a realização atividades como oficinas de reciclagem, compostagem, além de campanhas educativas em escolas sobre a importância do papel da sociedade para o destino correto dos resíduos sólidos. 

Formado em gestão pública é casado e pai de quatro filhos. Atualmente é coordenador político da gestão Edivaldo Holanda Júnior. A decisão de concorrer a um cargo eletivo na Câmara Municipal de São Luis passa pelo projeto político do Partido Comunista do Brasil (PC do B), de propor para a sociedade um modelo de gestão voltada para o social.











































Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui.